Principal Notícias Cheia no Pantanal faz Iagro prorrogar pela segunda vez vacinação contra aftosa

Cheia no Pantanal faz Iagro prorrogar pela segunda vez vacinação contra aftosa

CHEIA VACINA CAPA SIFEMS

A cheia na região do Pantanal fez com que a Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro) prorrogasse pela segunda vez para a região o período de vacinação dos rebanhos bovino e bubalino contra a febre aftosa. A portaria com a prorrogação foi publicada nessa quarta-feira (27), no Diário Oficial do estado, e estipula que o período de vacinação dos rebanhos que terminaria neste sábado (30) de junho, seja estendido até 30 de julho.

O criador tem até 15 de agosto para fazer a comunicação ao órgão. Além da vacinação contra a aftosa, também foi ampliado o prazo para o produtor vacinar os animais contra a brucelose. Neste caso, a imunização e a comunicação podem ser feitos também até 15 de agosto.

A primeira prorrogação da vacinação contra a aftosa, de 15 dias em relação ao calendário inicial, foi determinada pela Iagro no fim de maio e além do Pantanal, também beneficiou o Planalto e a Fronteira, por conta dos reflexos da greve dos caminhoneiros, que tinha impactado nos estoques das revendas de vacinas.

No Pantanal, nesta primeira prorrogação, a campanha, que inicialmente iria até 15 de junho, havia sido estendida até este sábado, dia 30 de junho.

Entretanto, em razão da cheia, o Sindicato Rural de Corumbá e a Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Sistema Famasul), solicitaram no início de junho uma nova ampliação do prazo, desta vez de 30 dias.

O presidente da entidade, Luciano Aguilar, justificou o pedido explicando ao G1 que o pico da cheia deveria atingir a região somente no fim deste mês. Ele comentou ainda que a situação era embasada por estudos técnicos da Embrapa Pantanal, da Defesa Civil do município e pelo reconhecimento pelo próprio governo do estado e pela União, da situação de emergência em Corumbá.

Em razão da enchente, Aguilar disse ao G1 que dos 1,973 milhão de bovinos de Corumbá, que constitui o segundo maior rebanho por município do país, cerca de 1 milhão teve que ser retirada das áreas mais baixas que foram alagadas nas regiões do Nabileque, Jacadigo e Abobral, entre outras, causando um prejuízo de aproximadamente R$ 350 milhões.

Outro argumento que o presidente do Sindicato Rural de Corumbá usou para pedir a prorrogação do prazo de vacinação para a região é da importância estratégica do rebanho local para a própria pecuária sul-mato-grossense, já que, cerca de 40% dos bezerros que saem para a engorda em outras regiões do estado, vem do Pantanal.

Fonte: G1/MS / Foto: Valdemir Cunha/Ed. Globo

Foto: Valdemir Cunha/Ed. Globo
 

Adicione seu comentário. Participe!

ATENÇÃO
 
Os textos inseridos são de inteira responsabilidade daqueles que os postam.
O SIFEMS se isenta de toda e qualquer responsabilidade nos comentários publicados por seus filiados, por vez que se limita a ser mero veinculador do texto publicado. Os textos que forem inseridos por seus filiados serão automaticamente publicados, não sendo realizado qualquer moderação. Contudo alertamos que se forem utilizados textos ofensivos ou mesmo utilizado de forma pejorativa, o SIFEMS editará ou excluirá o mesmo, entretanto após a sua publicação. Entretanto os textos inseridos por não filiados dependerão de moderação para serem publicados.

Diretoria de Publicidade


Código de segurança
Atualizar


A CARREIRA DE FISCAL


frederico fundo


Fiscal
Estadual
Agropecuário


Entre e conheça

NAS REDES SOCIAIS


Você também encontra o SIFEMS no

 

 

ico twitter    ico facebook    ico youtube    ico googleplus

Entre e compartilhe